10 maneiras de ser…. um imbecil!

Já repararam como existem aos montes na internet, principalmente no facebook, as intituladas 10 maneiras? 10 maneiras de se dar bem nos relacionamentos, nas entrevistas de emprego, para estudar com eficácia, para ter atitudes corretas, de amar ao próximo, para ir bem ao vestibular e etc e muitos outros etcs. Ou então as 10 maneiras ao contrário… 10 coisas que não se deve fazer em um primeiro encontro, 10 hábitos infelizes a serem evitados, 10 atitudes que não devem ser feitas no ambiente de trabalho e por ai vai. Tem muitas, mas muitas delas por ae…

Essas listas de 10 maneiras (às vezes com muito mais, já vi listas com 30, 50 itens!) é o perfeito exemplo de como nosso mundo contemporâneo de hoje não é somente a era da informação, da conectividade, mas ela é acima de todas, a era da técnica.

Alguns pensadores já jogaram essa bola décadas antes, mas só agora acho que está palpável e visível como que isso, essa técnica, está entrelaçada em nossa vida, nas nossas decisões e no nosso modo de viver. As 10 maneiras são um exemplo simples, mas que resume muito bem o mundo da qual estamos vivendo…

Essa é a era da técnica, com um domino absoluto de normas, diretrizes, conceitos, formas que são certamente as mais eficazes. Quase tudo nos dias de hoje é mensurado, controlado, dirigido, medido. E digo isso sem exageros, é quase tudo mesmo!

Olhando essas listas de dicas, inocentes, que visam apenas ajudas as pessoas a melhorar e a pensarem em seus comportamentos, para que possam refletir e criar outros que sejam mais eficazes. As 10 maneiras são pequenas receitas, feitas por outros que querem dizer Ei, aqui está uma forma certa e eficaz de fazer o que você vem fazendo errado!

Não existe certo ou errado, existem opções, existem estradas… Acordar ás 6 da manhã, fazer uma caminhada matinal, beber leite de soja, NÃO fará de você um ser humano correto e os outros errados (muito menos impedir que você venha a morrer um dia, mas esse é outro assunto!). Ser proativo no trabalho, pagar o jantar no primeiro encontro, estudar 12 horas por dia, não comer determinado alimento NÃO garantem nenhuma chance de sucesso, nem ao menos aumenta a probabilidade…

Não estou criticando uma forma saudável de viver, longe disso, mente e corpo sadios são as portas para uma vida equilibrada. Sou plenamente favorável a isso! Sabemos que exercícios físicos liberam substancias prazerosas em nosso corpo isso não é novidade. Sabemos que ter uma vida refletindo em nossas atitudes é extremante benéfico. Somos existências humanas e devemos cultivar diariamente tanto o corpo quanto a mente para termos chance de ter uma vida mais prazerosa e em paz conosco e com os outros.

O que me deixa de certa forma, irritado com isso, é a existência de regras para que se possa viver bem ou corretamente. O grande mal-estar que dá lendo essas 10 maneiras é que ou você segue essas regras e se esforça para tal, ou você está errado e será culpado por coisas ruim que acontecerão.

E o que passar na minha cabeça, particularmente quando leio essas regras, é que estou terrivelmente errado! E isso me causa um super desconforto.

O mais duvidoso é que essas 10 maneias são escritos por especialistas ou entendidos de uma determinada área. São os agentes com o conhecimento técnico que os permitem dizer quais são as regras mais corretas e eficazes e que devem ser obedecidas… É uma forma de impor!

Em vez de impor, em vez de ditar normas e regras, que tal um caminho mais positivo, um caminho mais respeitoso? Que tal a simples e é poderosa sugestão? Será que ela ainda tem espaço no mundo técnico de hoje?

E me atrevo a dar uma sugestão ao leitor seria essa aqui! Leia sim ás 10 maneiras, mas saiba que elas não refletem nem um pouco a realidade. São apenas “visões” de uma pessoa ou pessoas. Somente isso. Um ou outro ponto faz certo sentido, porém muito provavelmente, não ter nada a ver com a sua realidade e com a pessoa que você é. Leia até mesmo com aquele espírito de bom humor.

As técnicas são importantes, mas devem vir junto de um sentido e um sentido particular nosso. Se fizer sentido e se eu me sinto bem e em paz ao respirar, por exemplo, o ar matinal das 6 da manhã, isso será bom unicamente e exclusivamente para mim. Posso dar essa sugestão para outras pessoas, mas acordar ás 6 da manhã para respirar pode não ser muito agradável e nem fazer sentido para muitas pessoas.

Posso dizer os 10 hábitos para ter um casamento feliz, baseados em um monte de testes, pesquisas, entrevistas com outros casais e traçar os principais hábitos daqueles que tiveram casamentos de mais de 10 anos por exemplo. Mas e daí? Isso garante absolutamente nada!

Todas essas informações, se não tiverem um significado e um sentido para aquele que a escuta, não significam nada.  A existência humana não é tão simples quanto uma receita de bolo…

Por isso que eu considero que as máximas fazem um trabalho muito melhor que as 10 maneiras! São rápidas, são sinceras e sabemos quem está dizendo… não são listas de especialistas obscuros ou de pessoas que nem conhecemos. São como disse, sugestões de pessoas que expõem o que acharam e o que deram certo para elas, através da experiência particular de cada uma.

São formas bem melhores de mostrar certos pontos de vistas diferentes e que leva, em minha opinião, um pensar e refletir bem mais profundos que essa diversas listas de maneira e regras. Nos leva entrar em contato com outro que compartilha a experiência. E se existir sentido naquilo que ele compartilha conosco, se existir aquele clique, se aquela máxima de fato conseguiu penetrar no fundo dos nossos corações (e elas conseguem isso!) então de fato, a experiência do outro serviu para a construção na nossa própria existência e existência.

As máximas tem essa habilidade, de nos levar a refletir e pensar em nossas vidas, em nossas atitudes e comportamentos.

E para terminar esse post, nada mais justo que uma máxima!

Aprendi que toda vez que decido algo com o coração aberto, eu normalmente tomo a decisão certa.Maya Angelou

Artigos Relacionados